Coreia do Norte afirma que "deveria afundar o arquipélago japonês com bomba nuclear’

A declaração afirma que Pyongyang não tem medo do pacote de sanções impostas ao país pela ONU.

A declaração afirma que Pyongyang não tem medo do pacote de sanções impostas ao país pela ONU.

Segundo as agências de notícias japonesas ANN e Sankei News, nesta manhã de quinta-feira a Agência Central de Notícias da Coreia do Norte (KCNA) publicou uma declaração de oposição às sanções impostas por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU.

Siga nossas redes sociais
YouTubeInstagram - Facebook - Twitter

As declarações do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte são de que as sanções foram “uma provocação atroz destinada a privar a República Popular Democrática da Coreia do seu legítimo direito de autodefesa e para sufocar completamente o seu estado e as suas pessoas através de um bloqueio econômico em larga escala”, na tradução das agências de notícia.

Leia também: ONU e as sanções à Coreia do Norte

Ainda segundo as notícias, uma nova ameaça o Japão foi feita, nas seguintes palavras:

“Deveria afundar… com bomba nuclear”

A declaração afirma que Pyongyang não tem medo do pacote de sanções impostas ao país. Em relação ao Japão declarou em nome da “voz do povo” que “deveria afundar o arquipélago japonês no oceano com uma bomba nuclear”.

Leia tampem: O Míssil Balístico que Abalou Hokkaido

“O Japão não é mais um país que deveria existir perto de nós”, complementou. Além disso, afirmou que “deveria demonstrar claramente a nossa atitude aos japoneses que ainda agem maldosamente, enquanto veem ​​o nosso míssil balístico intercontinental sobrevoando o céu”.

Os noticiários japoneses acreditam que tais afirmações sugerem novas experiências com mísseis. Para a vizinha Coreia do Sul, as palavras também tinham tom de ameaça, Em relação aos Estados Unidos, o governo norte coreano declarou que “temos poder absoluto de destruir até mesmo a Terra”.

Nós fizemos um vídeo sobre o tema esta semana, expressando nossas preocupações e incertezas. Assista:


Siga nossas redes sociais

Comentários