A Coreia do Norte Atacará o Japão?

Fuskão Muy Loko! - Fuuka #2

Fuskão Muy Loko - Fuuka
Vamos combinar que Fūka é um nome estranho. Pode até fazer sentido em japonês, pode até ser poético para os japoneses, pode até ser bonito para eles. Pra mim não.

A única coisa que eu consigo associar com esse nome é um daqueles Fuukão mui loko, com rodona de camionete, escapamento barulhento e, de preferência cor berrante. Fusca Baja Cor-de-burro-quando-foge.

Mas, começando a análise deste segundo episódio, posso dizer que o autor já vomitou referências logo nos primeiros dois minutos. Quem conhece as obras de Kouji Seo sabe que a mãe de Fuuka é Suzuka Akitsuki, personagem principal de outra obra dele.

Como “punição” por não participarem de nenhum clube da escola, os protagonistas e Mikasa, um japonês loiro que parece ser o galã da sala - mas, na verdade, é homossexual -, são encarregados de limpar a piscina olímpica da escola. No verão escaldante de mais de 38 graus e 95% de humidade relativa do Japão. Somente os três.

Claro que é motivo de sobra pros desenhistas mostrarem calcinhas e roupas molhadas, mas, bem, eu já aceitei como parte da cultura japonesa a inserção de ecchi nas obras.


Siga nossas redes sociais

Existem títulos muito mais descarados (cof cof High School of the Dead). Assim como o fato das três irmãs do Yuu, o “Dom Gentileza” (já que seu nome é escrito 優, o mesmo ideograma de gentil) sempre aparecerem em roupas íntimas pra chamar nossa atenção.

Quando a saudade bate




Agora, diga-me uma coisa: você teve algum amor de infância? Já sentiu saudade dessa pessoa? Ainda nutre algum sentimento nostálgico ou carinhoso por aquela pessoa especial? Já se pegou imaginando onde ele/ela estaria, o que faz da vida e, o mais importante, se essa pessoa também pensa em você? 

Pois é… Nosso Dom Gentileza é abençoado pelos poderes do roteirista, portanto é claro que existe uma idol mega famosa que morre de amores por ele: Koyuki Hinsahi, a Tama-chan, famosa cantora que Fuuka admira e escuta, é quem completa esse trio amoroso que parece ser o centro da história. E lá se vai nosso protagonista assistir o show dela, levado a tiracolo por Fuuka. Aqui, vale uma observação: pouco antes do show, numa conversa com sua empresária, Tama-chan abre seu coração, conta sobre o passado - que aparece ao telespectador em flashback - e, sem cerimônia, escuta: “Avise a agência caso queira sair com ele”.

Pode parecer um tanto estranho para quem não conhece esse mundo do entretenimento no Japão, mas todas as agências japonesas na vida real proíbem que suas idols, modelos ou cantoras ou tenham qualquer tipo de relacionamento amoroso, principalmente se as meninas estiverem no auge de suas carreiras de ‘idol’.

Existem exceções, obviamente, mas vendê-las como “princesas intocadas” no alto de um pedestal para um público composto de fãs homens de meia-idade é parte essencial desse negócio bilionário.

Um tanto machista, eu sei, mas é assim que funciona.


As meninas que não aceitam abrir mão de sua vida privada geralmente nem chegam perto do estrelato.

Mudando de assunto, parece que o autor gosta de emaranhar as pontas de sua obra de uma maneira interessante: Hinashi gosta de Yuu, que se interessou por Fuuka, que se interessou pela música de Hinashi e, consequentemente, “tropeçou” em Yuu e também se interessou por ele.

Conheça o início de tudo - Japinha Hipster

É uma maneira bem criativa de se tecer um triângulo amoroso. Além de baladinhas gostosas de se ouvir, uma caralhada de referências às próprias obras, Kouji Seo também parece gostar do clássico Macross - já que muitas cenas musicais parecem ter sido inspiradas pela obra.

Caminhando (literalmente) para o final do episódio, vemos os caminhos na vida de Fuuka começarem a se abrir com um empurrãozinho do protagonista, e a sementinha de se dedicar a uma carreira musical está plantada após o show de sua cantora favorita.

Sinceramente, estou gostando bastante dos rumos desta narrativa. Adoro histórias bem amarradas, e agora é esperar pra ver.

Siga nossas redes sociais
Facebook - Twitter - Instagram

Texto: Renato Brandão
Edição: Pocket Hobby