Robocraft - Esquadrão "Morri"!

Como NÃO ter problemas na sua mudança no Japão

mudanças no Japão
Ok, você chegou ao Japão para trabalhar/estudar/morar com a família. Casa nova, cidade nova, país novo, língua nova, cultura diferente, costumes estranhos. E, após algum tempo, você ou sua família decidiram que o lugar onde moram já não atende mais suas necessidades.

Chega a hora de uma mudança.

Seja porque a empreiteira que te aliciou no Brasil infelizmente não cumpriu todas as promessas (acredite, isso é tão comum que até deixou de virar notícia), ou simplesmente porque arrumou emprego em outra cidade, não importa.

Saiba que, diferente do Brasil, aqui na Terra do Primeiro Ministro Super Mario até uma simples mudança de endereço exige procedimentos burocráticos nem um pouco práticos - e conhecê-los é uma necessidade.


Ao contrário de outras matérias do tipo, aqui no Pocket Hobby você saberá não apenas suas obrigações, mas também seus direitos, como evitar problemas, dores de cabeça e gastos inesperados.



Siga nossas redes sociais
Mudar de casa é (mais) um processo trabalhoso e inutilmente burocrático no Japão, que exige não apenas o transporte de todos os seus bens de um lugar a outro, mas também procedimentos de registro do novo endereço.

Inclusive mudando dentro de uma mesma cidade, não há como fugir da tremenda "burrocracia" japonesa. É um processo tão genuinamente arbitrário e inútil que pode variar conforme as condições da prefeitura, da província e até mesmo pode ser diferente dependendo de quem está se mudando. Sim, existe uma "regra padrão", contudo cada prefeitura tem a estranha liberdade de modificar, excluir ou até mesmo incluir certas exigências (o que torna certos procedimentos bastante confusos).

Portanto, dependendo do lugar para onde você vai, as regras podem ser um pouco diferentes das descritas aqui, mas acredite: os tópicos que analisamos são os mais essenciais na hora de trocar de casa.

Gás, Água e Luz

Aqui não tem segredo, a burocracia aqui é inevitável. Não pense que só porque já mudou uma, duas ou cinco vezes, agora vai ser igual. No Japão, são muitos os diferentes provedores desse tipo de serviços, e cada um possui regras e exigências ligeiramente diferentes.

Contudo, durante meus cinco anos de Japão, vejo uma certa uniformidade nos procedimentos: primeiro, se você for proficiente na língua japonesa (ou tiver a sorte de contar com alguém assim na família), blinde-se com muita, mas muita paciência mesmo e ligue para a central de atendimento das companhias (onde você já mora e onde irá morar). Informe a troca de endereço e a residência nova. De preferência, realize esse procedimento com, pelo menos, 2 semanas de antecedência.

Caso tenha sorte e seja a mesma companhia em ambos, tudo fica relativamente mais fácil.

No caso de companhias diferentes, apesar da troca de nome ser automática no sistema, as empresas de gás, por exemplo, costumam enviar alguém pra realizar a troca ou instalação dos medidores. É a desculpa perfeita que eles precisam pra te cobrar um extra ou tentar de toda maneira te empurrar novos detectores de gás e fumaça a preços superfaturados. Fique atento!

Se, por acaso, você estiver alugando um imóvel através de agência ou imobiliária, prefira lugares onde os medidores de energia e gás já estejam instalados (alguns donos pedem à empresa que seja retirado o equipamento, pra não terem despesas extras num apartamento desocupado, mas é do seu bolso que irá sair a grana para novos medidores quando e se aquela determinada empresa cobrar pela instalação!).

Telefone, Internet e Celular

Veja bem, é seu direito, independente do tipo de contrato assinado, mudar de endereço dentro da mesma província sem custos adicionais e ter sua internet transladada para a nova casa em 14 dias. Mas algumas empresas pouco idôneas costumam ignorar as leis, dificultar o processo e até mesmo cobrar a mais pelo serviço.

Quando a nova moradia não possui o cabeamento necessário pré-instalado, não adianta: prepare-se para pagar uma nova taxa de instalação. Portanto, assim como no caso de gás e luz, verifique previamente se o imóvel conta com uma infraestrutura que atenda suas necessidades, e esteja preparado para desembolsar alguns ienes caso não seja essa a situação.

Com as operadoras de celular, o procedimento é mais simples: basta ir a qualquer loja e solicitar a troca. Inclusive, dependendo da sua operadora, esse serviço pode ser feito por telefone mesmo, com ajuda de algum tradutor. Por sorte, o Japão conta com um sistema unificado de números de celular e, como não existe o roaming (pelo menos dentro de Honshu), você pode mudar de Nagano para Hiroshima, por exemplo, sem precisar trocar de número ou pagar a mais pelas ligações.

Prefeitura

De uns anos pra cá, principalmente após 2008, várias regras mudaram. Para trocar de endereço, todo estrangeiro deverá comparecer na prefeitura da residência antiga e preencher a notificação de mudança (転出届, teishutsutodoke). Você receberá um certificado que deverá ser entregue na nova prefeitura para finalizar a alteração e ter escrito ou impresso no Zairyu Card o novo endereço.

Não deixe pra depois, não enrole, pois a lei estipula que todo o processo deve ser feito, no máximo, em 14 dias. E, no caso de mudanças em grandes distâncias, ter que voltar à cidade antiga pode se transformar num gasto extra desnecessário.

Seguro de Saúde e Aposentadoria

Como quase tudo no Japão, tanto kokumin hoken (seguro de saúde) quanto nenkin (aposentadoria) são administrados pelas prefeituras. Aproveite e faça tudo no mesmo dia que estiver lidando com o teishutsutodoke. Geralmente, se na sua família existir algum adulto desempregado, é nesse momento que os funcionários da nova prefeitura irão praticamente coagir essa pessoa para aderir ao kokumin hoken.

Aqui vai uma dica importante do Pocket Hobby (talvez a mais importante de todo o texto): se você já usa esse seguro, não terá problemas, mas se nunca foi inscrito FUJA do Kokumin Hoken. Evite entrar nele a qualquer custo! Corra como se não houvesse amanhã! Não permita que te inscrevam contra sua vontade, e não caia na conversa de alguns funcionários da prefeitura de que esse é um seguro obrigatório por lei.

Sim, está na lei, mas nem os próprios japoneses a respeitam - pois vários já se endividaram por causa dele.

Consiga um emprego, nem que seja "arubaito" de meio período, e prefira sempre o "shakai hoken" ao invés do kokumin.

É geralmente na troca de endereço que algumas prefeituras inscrevem pessoas contra a vontade delas nesse seguro (inclusive quem já está no shakai hoken), e há casos de estrangeiros que se endividaram em milhões de ienes por conta de um serviço que jamais usaram (a cobrança vem retroativa a anos anteriores!)

Se você está no Japão, e todos os adultos em sua casa estão inscritos no shakai hoken, provavelmente não terá problemas. Aliás, o "shakai" é de responsabilidade da sua empresa contratante, portanto resolva com eles (e não na prefeitura) a mudança de endereço.

Correio

Após a mudança, registre seu novo endereço na agência mais próxima para evitar ter sua correspondência extraviada. Lembre-se também de pedir o redirecionamento das cartas já postadas, através de um formulário simples. Ah, e não deixe contas abertas em bancos que não irá mais utilizar.

Vídeo Relacionado - Life Hacks no Japão


Aliás, aproveite para assistir este vídeo, onde mostro alguns truques e maçetes que facilitaram bastante minha vida do outro lado do mundo.




Siga nossas redes sociais
YouTubeFacebook - Twitter - Instagram

Texto: Renato Brandão
Edição: Pocket Hobby

Como NÃO ter problemas na sua mudança no Japão