Bons Animes Com Poucos Episódios

Pocket Hobby - www.pockethobby.com - Os Melhores Animes Com Poucos Episódios.jpg

Muita gente diz que não gosta de animes "porque eles são muito longos" - por isso construimos uma lista dos melhores animes com poucos episódios.

De fato, aqueles animes mais famosos dos quais muita gente nem quer ouvir falar (Dragon Ball, Naruto, One Piece, Bleach, Cavaleiros do Zodíaco, Pokémon) são construídos para serem intermináveis, roteirizados para durarem trocentos episódios, justamente porque são pensados para a televisão, visando lucros com contratos publicitários e produtos licenciados, como canecas, camisetas, bonequinhos, chaveiros, bottoms, brinquedos do Mc Lanche Feliz, etc.

Contudo, quem conhece um pouquinho do Universo Otaku sabe que durante as quatro temporadas de anime anuais (divididas pelas estações) são lançados cerca de 150 títulos - ou mais! - no Japão. E isso é anime pra caramba!


Portanto, fica difícil - principalmente pra quem tem pouco tempo livre - acompanhar tudo o que é lançado e filtrar um nome no meio de tantas opções. Pensando nisso, a equipe do Pocket Hobby decidiu arregaçar as mangas, tirar a poeira dos DVDs e recomendar cinco animes com poucos episódios pra você começar já a se aprofundar na Cultura Japonesa.

Novamente, preciso frisar que isso não é uma lista "dos melhores", e a ordem escolhida foi a que assistimos. Não incentive trolls e não perca seu tempo discutindo gostos pessoais (você só vai terminar cansado e frustrado), aprenda a conhecer coisas novas e respeitar a opinião dos outros - por mais errada que você acha que ela esteja ¯\_(ツ)_/¯

Boku Dake ga Inai Machi



Também conhecido pela alcunha de ERASED nos Estados Unidos, esse anime de apenas 12 episódios mostra como seria se pudéssemos voltar aos nossos tempos de criança, mas com a consciência de adultos. Recomendadíssimo para quem gostou da série da Netflix Stranger Things.

Aqui conhecemos Satoru, um aspirante a desenhista frustrado de mangas (mangaka) que trabalha meio-período como entregador do Pizza Hut. Ele saiu de Sapporo (a ilha mais ao norte do Japão) rumo à Tokyo para perseguir seu sonho - e as semelhanças ideológicas com a Penny, de The Big Bang Theory, são assustadoras. Só que, claro, como ele é o protagonista, tem um superpoder oculto: é capaz de voltar alguns minutos no tempo quando algo ruim acontece ao seu redor, consertando as situações.

Só que num desses "Efeito Borboleta", o poder "buga" e ele é transportado de volta à infância. Preste atenção ao relacionamento mãe e filho, é emocionante!


Angel Beats



Com apenas 13 episódios, esse anime tem alguns problemas de roteiro, mas vale a pena "desligar o cérebro" e apenas apreciar essa história que mistura elementos de RPG, redenção, vida após a morte e colegiais de saia curta e armas de fogo numa escola japonesa típica.

Na história - com fortes influências do gênero Slice of Life - vemos personagens presos numa espécie de Purgatório, um mundo após a morte com NPCs, anjos, armas dignas de uma partida de Battlefield, conflitos internos e redescobertas de identidade. É uma narrativa fofa, com desenhos delicados, trilha sonora tocante e um final confuso mas muito bonito.


No Game No Life



Os roteiristas japoneses são criaturinhas criativas, que conseguem sempre inventar maneiras esdrúxulas de transportar jogadores de videogame para mundos virtuais fantásticos (geralmente baseados nos jogos de RPGs).

Por isso, alguns animes desse subgênero são bons por causa do drama; outros, pelo roteiro; outros pela comédia surreal e insana que, no fim das contas, faz todo o sentido (daquele) mundo. NGNL é um desses casos, reunindo dois irmãos com habilidades de jogo incríveis que são transportados para o mundo do game, onde precisam sobreviver.

E qualquer coisa que eu conte além disso vai ser spoiler, então é melhor parar por aqui.


Elfen Lied



Esse é mais hardcore, por assim dizer. Aliás, você conhece a cultura indiana? Pelo menos sabe que existem imagens de deuses da Índia com vários braços, né? Pois é. Imagine adolescentes japonesas seminuas em poses sensuais, um protagonista um tanto quanto ingênuo e meninas superpoderosas com braços invisíveis capazes de causar o Apocalipse.

São 13 episódios de uma história profunda, envolvente, com um polo estranho mas um final digno. Contudo, esteja preparado, pois é um anime um tanto antigo...


Tokyo Ghoul



Eu não ia ver Tokyo Ghoul. A sinopse me pareceu absurda, exagerada e - mesmo para uma animação japonesa, onde tudo pode acontecer - bizarra. Mas eu vi e, meu Deus, é preciso uma dose extra de suspensão de descrença para entender os meandros da obra.

Misture aquela metrópole linda e abalroada de gente que é Tokyo, monstros (quem é das antigas, como eu, e viu o jurássico Genocyber sabe do que estou falando), gore, canibalismo, muita violência gráfica e você terá 12 episódios amarrados, com uma animação impecável e um roteiro aceitável.

A trajetória do protagonista me lembrou, no início, aquele filme trash (muito bom) A Mosca, com Jeff Goldbloom...

Tenha também a certeza de assistir a versão sem cortes ou censura, porque os japoneses "caparam" muito a edição que passou na TV daqui (e aparece, vez ou outra, em sites brasileiros)


High School of the Dead



Inspirado pelo gênero "sobrevivência zumbi", assistir a esse anime é como ver George Romero, Guerra Mundial Z ou The Walking Dead em desenho animado japonês. Com 12 episódios, a trama é focada nos alunos sobreviventes, que precisam se virar para sobreviver ao Apocalipse Zumbi.

Com uma animação excelente, roteiro dinâmico e muito - eu quero dizer muito mesmo - fanservice, essa talvez seja a melhor adaptação das histórias de zumbi feita pelos japoneses. Simplesmente referência no tema e um dos meus "Top 20" de todos os tempos.

* * *

OBSERVAÇÃO: A lista não inclui episódios especiais, OVAs, Filmes ou outras obras derivadas das originais. Você não precisa assistir nada além dos animes aqui recomendados para entender as histórias citadas, e essa foi a única restrição que tivemos durante a produção do artigo.


Quer se manter realmente atualizado? Clique!
Facebook - Twitter - Instagram

Texto: Renato Brandão
Edição: Pocket Hobby