A Coreia do Norte Atacará o Japão?

Kanye West: The Life Of Pablo

Pocket Hobby - www.pockethobby.com - Kanye West- The Life Of Pablo


No mês passado, enquanto apresentava sua coleção de moda, Yeezy, em parceira com a Adidas, o rapper Kanye West, considerados por muitos (inclusive por ele mesmo) um gênio da música, apresentou seu novo álbum musical.

Entitulado The Life Of Pablo (antes ele havia inventado de chamar de Swish, depois passou para Waves, vai entender, o médio mandou não contrariar), o trabalho é... Diferente. Mas calma que eu já chego lá. Este álbum fora prometido pelo rapper como um disco “gospel” e a melhor coisa que ele já fizera na vida. Será? É o que vamos conversar hoje na minha primeira resenha para o Pocket Hobby.

Eu sou Rodrigo Silveira e vamos resenhar.



Ultralight Beam (feat. Chance the Rapper / Kirk Franklin)

A primeira canção inicia com uma criança pregando contra santanás (Por que não?) A música é uma das poucas que entrega o que Kanye prometeu sobre ser gospel, incluindo um épico canto de coral com alguns improvisos que misturam uma oração com improvisos de rap.

Father Stretch My Hands, Pt. 1 (Feat. Kid Cudi)

Sabe isso de gospel? Pois é. Acaba aqui. A segunda canção traz um estilo mais oldschool de música e é o que pra Kanye seria uma musica leve. Nela temos mais palavrões e expressões do gueto.

Father Stretch My Hands, Pt. 2 (Feat. The Desiigner)

Quando você quer pagar de bichão e coloca óculos escuros, pega seu carrão e coloca um batidão pra tocar, é essa musica que precisa estar tocando. A terceira faixa tem uma batida bem mais pesada e versos bem desenvolvidos do rapper The Desiigner e continua a faixa anterior.

Famous (Feat. Rihanna)

Famous é a canção mais polemica do disco. Nela, Kanye sugere que Taylor Swift deva fazer sexo com ele (você pode culpá-lo?) fato que levou o rapper a ser odiado pelos fãs da cantora, mesmo que West tenha explicado depois que a ideia do verso foi da própria Taylor, parece que não pegou muito bem.

Feedback

Na canção, ritmada por uma batina bem hip-hop, Kanye West fala de suas crises, financeiras e... Bem... De cabeça. West comenta que mesmo sem dinheiro, os caras não poderiam pagá-lo (O que não parece ser bem verdade já que o ele foi pedir dinheiro emprestado ao dono do Facebook pelo twitter).

Low Lights

Não há versos de Kanye nessa musica. A canção trata-se de um “testemunho” de uma mulher como se ela estivesse em uma igreja glorificando alguém que confunde-se com Deus ou com o próprio West.

High Lights (Feat. Young Thug)

Na canção “Destaques” é isso o que Kanye quer. Por isso, essa é mais uma musica – bem viciante inclusive - em que ele descarrega versos de indiretas (e algumas direitas) recheadas de recalque para com algumas pessoas.

Freestyle 4 (Feat. Desiigner)

A música é um improviso cheio de palavrões e obscenidades provando que de gospel a faixa não tem nada. Agora de babaca...

I Love Kanye

A faixa mais narcisista que existe. Não há nenhuma musica aqui. Apenas o rapper declarando a si mesmo e a todos o quanto ele ama a si mesmo. Mas confesso que nesse momento eu já estava apaixonado pelo disco o suficiente para amar isso.

Waves (Feat. Chris Brown)

Antigo título do disco, a faixa une duas pessoas que já são detestadas por parte da mídia, mas que apesar de tudo continuam ótimos músicos e aqui eles entregam exatamente isso. Uma canção leve, curta, mas apesar de tudo ótima.

Fml (Feat. The Weekend)

Minha canção favorita do CD. Nela, West reflete sobre si mesmo. Sobre seus acessos de raiva e cita inclusive o remédio controlado que usa. Fala sobre ter que parar antes de perder tudo e que sabe até onde vai dizendo ter o controle de tudo. (Será?)

Real Friends (Feat. Ty Dolla $ing)

Confesso que essa faixa me fez derramar suor lacrimal masculino. Kanye canta sobre a amizade verdadeira. Sobre antigos amigos, de suas falhas por falta de tempo e das deles. O rapper critica as amizades baseadas em interesse.

Wolves

A música já havia sido apresentada antes em alguns programas de rádio, porém com a participação da cantora Sia e de Vic Mensa que foram cortados da versão final. Confesso que preferia a versão com eles, mas ainda assim é uma das minha favoritas.

Silver Sufer Intermission

É mais uma loucura (Ou genialidade mal compreendida) do que uma música. A faixa trata-se de uma conversa de West com o Surfista Prateado, citando inclusive o antigo nome do disco “Waves”

30 Hours (Feat. André 3000)

Para mim, a faixa mais cansativa do álbum onde West fala de vários momentos perdidos na vida. A música tem uma batidinha de leve, mas é tão arrastada que ao final dela, parece mesmo que se passaram trinta horas.

No More Parties in L.A. (Feat. Kendrick Lamar)

Kendrik Lamar une-se a Kanye West para falar sobre as enfadonhas noites festivas em Los Angeles. A faixa havia sido lançada como single antes do álbum.

Facts (Charlie Heat Version)
Kanye fala nessa penúltima faixa, sobre seus projetos e realizações pessoas, com sua marca de roupas, Yeezy. E cita seu projeto de candidatar-se para presidente dos EUA em 2020(PELO AMOR DE DEUS, NÃO)

Fade (Feat. Ty Dolla $ign & Post Malone)

A última canção de The Life Of Pablo segue louca de acordo com o sentimento misto de depressão e revolta de West, ainda assim tem uma ótima batida e mostra que apesar de tudo, e mesmo este não sendo seu melhor trabalho, Kanye continua um grande músico (ou não).

Caros leitores, esse foi a minha primeira resenha, caso tenham gostado ou sentido interesse em conferir o álbum, ele está disponível exclusivamente na plataforma de streaming, Tidal. Até a próxima.

Quer se manter realmente atualizado? Clique!
Facebook - Twitter - Instagram

BRASIL, 06 DE ABRIL DE 2016
Texto:Rodrigo Simplício
Revisão: Renato Brandão
Edição: Pocket Hobby

Comentários